Adriana Torres

Porque Relacionar é preciso

Posted by Adriana Torres | July - 7 - 2010 | 45 Comments

Sim, não é fácil recrutar. Sei disso, pois em todas as empresas que trabalhei, mesmo não sendo responsável pela área, exerci várias vezes o papel de selecionador e entrevistador.

Nada mais chatinho que divulgar um perfil e receber DEZENAS de currículos completamente diferentes do que foi solicitado.

E as entrevistas? Uma vez entrevistei um jovem e perguntando para ele qual era o seu objetivo maior ele me respondeu: “casar virgem”.

Já selecionei candidata que na última hora desistiu da vaga e tive que recomeçar todo o processo. Já errei na contratação e me arrependi. Já fiquei semanas desesperada divulgando uma vaga e nada de aparecer um bom candidato…

Agora, cá entre nós, existem alguns procedimentos de recrutadores (sejam eles gerentes, gestores de RH ou não) que fazem o sangue do candidato ferver! E, como usualmente o desempregado está mais abalado emocionalmente nesse período, pode se transformar até em um trauma difícil de ser superado! Vai aqui minha listinha pessoal:

Ausência de feedback: todo mundo fala, reclama, mas o povo não toma jeito. Será que é tão difícil assim enviar um email dizendo: “olha, seu cv não foi selecionado para entrevista ou para a próxima fase, obrigada pela colaboração!?”

O negócio é tão sério que o site gratuito vagas está realizando uma pesquisa com os candidatos. A cada candidatura você é convidado a dar notas para a descrição da vaga e para o processo (leia-se feedback). Como agora até eu estou nessa busca, já respondi cinco. E dei 1 (a menor nota) em todos os processos que participei! (não para a descrição, que normalmente é ótima!)

O interessante é que, quando a empresa adquire o software do vagas (a fonte de renda deles) existem várias opções para dar esse feedback ao candidato. Ou seja, não utilizam porque não querem!

Preconceito: Nada que aguce mais minha vontade de jogar nos olhos do recrutador um spray de pimenta fresca quando vejo vagas onde definem sexo ou idade. Uma vez recebi um email que me deixou boquiaberta: o recrutador pedia que o candidato fosse da religião x! Meu Deus, quanta ignorância! Nada disso define um bom profissional. Pouca ou muita idade, sexo feminino ou masculino e, muito menos, a escolha  INDIVIDUAL da crença (ou ausência dela)!

Ok, sei que muitas vezes o recrutador é obrigado a incluir essas opções por conta do “cliente interno”. Bem, que tal serem mais proativos (vocês adoram essa palavra, falem a verdade…) e treinarem o cliente em relação à responsabilidade social, ética e diversidade?

Dinâmicas e entrevistas especiais: participei certa vez de uma dinâmica onde o recrutador simplesmente “tocava o terror” nos candidatos. Segundo ele (que trabalhava comigo) a idéia era abalar psicologicamente o candidato porque a função exigia muito controle emocional. Sinceramente? Eu me senti tirando carteira de motorista…igualzinho!

Acho RIDÍCULO. O cara já está abalado! Ele de repente está há um ano sem emprego, devendo até as cuecas na praça, o filho doente e o recrutador acha que, nessa situação, ele está se comportando dentro da sua normalidade? E quem vence? Corre-se o grande risco de ser aquele filhinho de papai, que está se lixando praquela vaga, porque sabe que é só para “tapar buraco”, pois amanhã conseguirá algo melhor…

Nota: Em 2008 participei de uma avaliação de desempenho 360°. Primeiro com meu assistente, depois com meu superior. No dia da avaliação com meu superior estava completando sete dias de morte da minha mãe – e pedi ao consultor que a mesma fosse adiada, o que me foi negado já que, de acordo com ele, tratava-se de algo profissional e eu tinha obrigação de estar preparada. A avaliação foi às cinco horas da tarde, duas horas antes da missa. Até hoje não sei se chorei mais na avaliação por causa da minha mãe ou se chorei mais ainda na missa por causa da avaliação…

E os atrasos na hora de atender o candidato, os testes cretininhos? Psicologia barata, ninguém vai medir a competência de alguém por causa de uma hora de conversa. É fato!

Claro que existem testes interessantes para medir algumas características comportamentais. Mas, em sua maioria, não são aplicados corretamente…e… deveriam ser realizados antes da entrevista, concordam?

Minhas entrevistas sempre foram com um único objetivo: verificar o famoso CHA: Conhecimentos (acadêmicos, técnicos) Habilidades (o que aprendeu com a experiência) e as Atitudes (características comportamentais).

Os dois primeiros, usualmente, podem ser checados no currículo. Mas é na entrevista que verificamos se o que está escrito procede ou é “conversa pra boi dormir”. Agora, atitude é muito complicado e conseguimos detectar apenas algumas características que seriam mais importantes para o cargo. Como eu disse, o ser humano não é um robô, ele não é 100% igual todos os dias, todos os meses do ano.

Eu, usualmente, gosto de dar toda a liberdade e conforto ao entrevistado, pois acredito que terei mais condições de avaliar seu comportamento se suas defesas não estiverem tão levantadas. Da mesma forma, sou super sincera quando entrevistada. Porque acredito firmemente que, se o entrevistador não gostar do meu perfil, eu não serei feliz naquela empresa. E, mais que ganhar dinheiro, eu quero é ser feliz! (tá, sei que é mais fácil ser feliz sem dívidas a pagar, mas pula essa parte…)

Perguntas non sense: Qual sua pretensão salarial para mim é a TOP das non sense. Como me disse um amigo, pretender a gente pretende um milhão, não é cara-pálida?

Veja bem, a empresa já tem o budget dela (mínimo e máximo, se for profissional). Sabe quanto o mercado está pagando e está entrevistando o candidato para avaliar o “produto” oferecido. Vai fazer leilão? Ver o que consegue?

Cadê o custo-benefício? Gente, estamos falando de gente! Pessoas não são recursos (detesto o termo RH por sinal)!

Todos tem seu valor e ficar leiloando só irrita e menospreza o SER HUMANO! (não estou falando de vagas para ganhar alguns milhares de dólares… estou falando da maioria dos mortais, faz favor!)

Outra pergunta non sense: Qual seu maior defeito e sua maior virtude? Filhinha, você acha mesmo que o cara vai virar pra você e falar: “olha, eu sou extremamente presunçoso e arrogante. E, como virtude, bem, eu sou quase perfeito!” Eu faço essa pergunta, todo mundo faz, sei que a ideia é ver como a pessoa se enxerga e blábláblá. Mas já está tão batido isso…

E aí está o ponto que eu queria chegar: o mundo mudou. Muda, aliás, todos os dias, vocês notaram? E nós também mudamos. A política, a economia, a forma de nos relacionarmos… No entanto, os processos de RH (salvo honrosas e boas exceções) continuam quase iguais aos do ano em que entrei no mercado de trabalho (1990, para ser exata). Não está na hora de parar, refletir e perceber que existem maneiras melhores de se relacionar com o candidato?

O que a empresa quer? O candidato mais próximo do idealizado. O que o candidato quer? A empresa mais parecida com o que sonhou… é quase um conto de fadas! E atualmente, os recrutadores que me desculpem, mas eles estão fazendo o papel da Madrasta da Branca de Neve!

P.S. Pessoal do RH, não fiquem bravos comigo. Podem não concordar, mas não xinguem ok? Lembrem-se que agora tem projeto de lei querendo responsabilizar dono de blog por comentário insultuoso de anônimos…

P.S.2 Vocês tem algo a acrescentar na listinha non sense do RH? Posta aí! 😀

P.S. 3 Para os amigos recrutadores não ficarem muito bravos comigo, depois desfio mais os foras dos candidatos tá? Afinal, defeitos todos temos… 😉

Bjs!

Dri Torres

Related Posts with Thumbnails
Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Mixx
  • Google Bookmarks
  • Blogplay
  • Twitter
  • Add to favorites
  • email
  • LinkedIn
  • Posterous

45 Responses so far.

  1. Adriana, Achei seu texto muito pertinente. Como consultor e professor de disciplinas de RH em cursos de administração, também faço as mesmas considerações. Para mim, a falta mais grave é a falta de feedback. As empresas só se preocupam com os candidatos enquanto eles alimentam os sonhos de ocupar suas vagas. Depois, são descartados e esquecidos. Esse comportamento reflete, na verdade, a cultura brasileira de valorizar quem está “dentro”. Os excluídos não tem vez. Essa também é uma forma de preconceito, de discriminação. No mais, desejo-lhe sucesso. Quando puder, visite meu blog. Abs, Ricardo.

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Valeu Ricardo, é isso aí, através de pessoas como você vamos mudar isso…

    Ainda bem que também existem boas empresas e ótimos profissionais. Como disse um amigo meu, RH tem que ser hoje gestão de pessoas e não mais um departamento de recrutamento, até pq a tarefa de recrutar está mais com os gerentes das áreas necessitadas (e que precisam ser treinados para isso, obviamente).

    Obrigada por vir aqui, vou lá conhecer seu blog! :-)

    Abrs

    Dri

    [Reply]

  2. Tagliati says:

    Eu queria saber quantos empregos conseguiria dizendo que meu maior defeito é a preguiça ou a arrogancia… ou o desprezo pela maioria das pessoas.. ou qualquer coisa… Fora que .. qual sua maior qualidade? Sou legal? As pessoas acabam esquecendo do que é pertinente e querem fazer o que está na moda do recrutamento. Quantas vezes vocês já viram perguntarem pelos últimos livros/blogs lidos? Eu vou colocar g1 ou qauqluer coisaPorn? Claro que não.. nos livros Harry potter? Nada! vou inventar leituras de títulos que são correlatos a vaga mas que na verdade eu nem me interesso!

    Acabam fugindo do objetivo e filtrar profissionais qualificados e somente ampliando a quantidade informação passível de forja.

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    É Tagliati,

    você tocou num ponto importante. As perguntas padrão acabam criando respostas padrão. Quem está assessorado por um bom RH tira de letra…mas faz com que você realmente conheça o candidato? Que tal deixa-lo a vontade para falar, estabelecer um bate papo cordial e, nesse bate-papo, saber ouvir?

    ótimo comentário, valeu!

    Bjs

    Dri

    [Reply]

  3. Laura says:

    Prima,

    Vc realmente tem o dom da escrita.. que texto bacana.. concordo 100% com o que vc escreveu..

    Recentemente passei por um processo (4 etapas) e lógico perguntaram das qualidades e defeitos. Dentre os 9 candidatos, eu fui a única que falei que era autoritária, exigente e intrometida, isso porque eu disse que as minha principais habilidades eram o meu poder de execução, a minha visão sistemica, tomada de decisão e meu comprometimento. Passei recentemente por um processo de auto-conhecimento em que me permitiu conhecer as minhas qualidades e minhas vulnerabilidades.

    Os outros candidatos ficaram com aquelas básicas respostas: sou ansiosa (ou será anciosa???heheheh) Minha qualidade é ser pontual….

    Fui extremamente honesta e sincera, e não é que passei. Fui chamada. Mas adivinha: a empresa faz um raio x pra saber do candidato, e sequer quer saber do que vc valoriza e do que vc sonha… a vaga não era pra mim…

    Outra questão abordada no seu texto: o preconceito. A minha màe está meses tentando ser chamada pelo menos em alguma entrevista e não consegue. E sabe porque? Ela tem 53 anos. Apesar de toda a bagagem e conhecimento ela não é vista pelas empresas como alguém produtivo.. Que injustiça!

    Sinceramente digo em voz alta: TÁ DIFICIL, HEIN RH!!!!

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Ei prima, que bom que gostou…

    Conversamos ontem sobre isso, né? E falei que iria escrever, acho que precisamos utilizar de alguma forma os canais que temos para mostrar que não concordamos com isso!

    Agora, sobre seus defeitos…to passando mal de rir aqui, “nada a ver” com as mulheres da família, né? Eita bando de guerreira! rs Parecia descrever aí eu, a Ondina, a Simone, a mamãe…sangue forte!

    Sobre o problema da sua mãe, precisamos coloca-la no grupo solidário. Por favor, depois manda o cv dela pra mim que vou passar para uns conhecidos. A Simone também tem enfrentado o mesmo problema e é quase 10 anos mais jovem…ou seja, eu em breve estare sofrendo o mesmo problema!

    Querem um profissional de 25 a 35 anos, pós-graduado, que fale duas línguas e que aceite receber dois salários mínimos. Ah e que tenha no mínimo 10 anos de experiência… E, como eu lhe disse, passou dos quarenta manda matar né? Pq não serve mais.

    Duro…

    Bjs!

    Dri

    [Reply]

  4. Sainahba says:

    Prezada Adriana,

    Muito útil seu texto e os destaques, oportuníssimos para os dias que correm… Principalmente o que trata da ausência do feedback, praga que parece assolar cada vez mais a humanidade. Parabéns!

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Obrigada, Mestre!

    Espero que a turma do RH leia com carinho e possa disseminar isso… 😉

    Abraço

    Adriana

    [Reply]

  5. Renée says:

    Oi Driii!! Isso me pareceu um desabafo hein? rsrsrsrs Concordo em grande parte com o que vc disse, principalmente quando diz que não podemos generalizar, pois existem sim ótimos profissionais e empresas de recrutamento e seleção. Mas, infelizmente, existe sim um grande preconceito com os recrutadores e as técnicas utilizadas, e os bons acabam pagando pelos erros dos ruins. Concordo quando diz que o mundo mudou e em função disso os processos tb precisam mudar! É preciso sair do comodismo, do ” sempre fiz assim” e entender que realmente lidamos com recursos HUMANOS, em toda a sua complexidade. São as pessoas que importam e deveriam ser tratadas com todo respeito durante um processo seletivo! Bjo grande! Renée

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Renée.

    na verdade eu tenho participado de diversos debates no Linkedin a respeito do tema. E também escuto diariamente as reclamações dos candidatos… além disso, como voltei para a caça agora, tenho ficado abismada principalmente com a questão do feedback.

    Acredito que isso vem com a maturidade, sabe? Nos descobrirmos humanos..falhos… compreendermos que podemos até julgar atos, mas jamais as pessoas. E por isso eu não julgo aqui os profissionais de RH que agem assim, mas a forma de condução do processo.

    Mas sei que pessoas como você e o Ricardo estão aqui pra revolucionar isso! Aliás, é a mesma coisa do Marketing. Eu também quero um Marketing ético, de valores, que volte ao seu princípio de gerir relacionamentos e não ganhos a qualquer custo..

    Cabe a nós, profissionais, fazer o mundo mudar! E sei que você topa o desafio!

    Bjs!

    Dri

    [Reply]

  6. Lu Goulart says:

    Adriana, minha cara, Você é fantástica!!! Me delicio lendo seus textos!!!! Sobre este, achei que apenas eu pensava assim, já cheguei a falar com minha terapeuta (sim, eu faço terapia, e acho que quase todo mundo deveria fazer) que a maioria dos testes que fazemos durante essses processos seletivos são inúteis, salve raras exceções!!!! A ausência de feedback dá nos nervos de qualquer cidadão normal, além das perguntinhas básicas sem noção! Brilhante!!! Abraços… Luciana

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Lu, que bom que gostou!

    Eu fiz terapia três vezes na minha vida. A primeira foi péssima, a segunda foi ótima e a terceira melhor ainda… assim que eu regularizar minha vida profissional (e financeira) eu volto, concordo com você, todos nós precisamos de terapia, principalmente para aprendermos a nos relacionar (conosco e com o próximo).

    Bjs!

    Dri

    [Reply]

  7. Sergio Bonilha says:

    Dri,

    Otima matéria ! Muito bom humor e muita verdade. Enquanto estava lendo a materia lembrei-me de um email que recebi onde constava um “Currículo Sincero” rsrsrs… estou enviando abaixo… O pessoal de RH não quer muita honestidade, franqueza e criatividade no currículo .. pois bem… segue logo abaixo. Um beijão e continue escrevendo … Sérgio

    Currículo Sincero:

    APRESENTAÇÃO PESSOAL

    MEU NOME?

    Lucas Lopes Batista – 23 anos. Não vou colocar meu cpf porque agora virou moda pedir cpf, meu nome está no SPC, mas não é porque sou caloteiro é porque estou com um débito alto da faculdade e estou sem grana para pagar. Agora se vocês me derem a oportunidade de trabalho com certeza pagarei mais rápido.

    ENDEREÇO?

    Eu moro no bairro de Nazaré – Salvador/ Ba. Não preciso mencionar a rua, pois acredito que no momento vocês não viram me visitar e nem me enviarão correspondências.

    CONTATO

    É o telefone eu posso dar caso vocês queiram me ligar pra marcar uma entrevista. 3242-5486/ 8178-9515 Email: lukaolopes@gmail.com

    FORMAÇÃO ACADÊMICA

    Estava cursando Produção Editorial na Hélio Rocha. Tranquei por problemas técnicos (no bolso), pretendo resolver o mais rápido possível para voltar logo!

    EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

    A minha é grande! (Para quem tem 23 anos) Estagiei na Petrobrás Distribuidora S/A. em 2001. Assim que sai de lá fui trabalhar numa locadora de filmes na graça. Fiquei dois meses porque A Fórmula uma empresa maior (e melhor) me chamou, comecei lá em 2002 sai em 2005 foi a empresa que durei mais. Era muito boa, lá eu aprendi melhor relacionamento humano, como lidar com colegas de trabalho, infelizmente o meu horário de trabalho estava atrapalhando na faculdade. (Uma pena, mas a fila anda). Coincidiu que no mesmo mês a Atento (Vivo) me chamou e eram 6 horas, não atrapalhava na faculdade. Achei que lá era o Paraíso Tropical, mas de Paraíso não tinha nada. Era um trabalho chato e estressante. (Eu sou agitado, apesar de não parecer) detesto ficar sentado muito tempo. Depois de um ano quebrei as correntes da escravidão e fui pra uma locadora falida lá em Vilas do Atlântico (Vídeo Vilas). Lá eram 5 horas e pagava legal, mas como felicidade de pobre dura pouco; eu tinha um chefe-infernal (Estilo Meryl Streep em “O Diabo Veste Prada”) agüentei seis meses e pedi pra sair. Depois de três meses na dança-do-desempregado fui dar aulas de informática no colégio Mundial (Vila Laura) lá era tudo ótimo, chefe, colegas, alunos, só que como nada é perfeito o salário não era lá uma Brastemp.Quando estava me acostumado com o lugar a empresa Politec que presta serviços pra Caixa me chamou pra seleção e blá, blá, blá. O salário era melhor e como a grana fala mais alto (ou melhor gritaaaaa!) pedi pra sair do colégio com o broken heart, mas fazer o quê? É a vida é bonita e é bonita…Viver e não ter a vergonha de ser feliz. Agora estou aqui sendo sincero com vocês sabendo que meu New Currículo vai parar na próxima lixeira.

    INDIOMA

    Antes eu mentia coloca no currículo que tinha Inglês – fluente e Espanhol – básico Tudo balela! Em Inglês, só sei What´s your name, How are you e etc. Aliás, não sei pra que pedem inglês no currículo, sei da importância de possuir um Indioma e pretendo aprender o inglês e outra língua que puder, mas realmente inglês para exercer funções simples é desnecessário.

    CURSOS

    Tenho os básicos Telemarketing, Informática (já com Windows Vista), Atendimento a clientes e Vendas, Relacionamento Humano, Comédia Coorporativa.

    TALENTOS

    Não é querendo me gabar, mas é o que eu possuo de melhor, infelizmente nos cargos que ocupei não tive a oportunidade de mostrar meus talentos. Só na A Fórmula que tive a oportunidade de organizar alguns eventos e mostrar um pouco minhas facetas.

    Obs: A iniciativa de criar este currículo foi para inovar, porque assim vocês ficam me conhecendo melhor e evitam o transtorno de me chamar para uma entrevista fazer eu gastar R$ 4,00 de transporte e me reprovarem numa dinâmica, poupa meu bolso e poupa o tempo de vocês. E tem mais! Este currículo é só para pessoas dinâmicas e com a cabeça aberta, se você for antiquado (a), museu, tiver alma de “velho” com certeza jogará este currículo na lixeira. Mas estará perdendo a grande oportunidade de me conhecer! Desde já agradeço a atenção.

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Sergio,

    eu já tinha visto algo parecido tem algum tempo… e, se eu como recrutadora recebesse um cv assim iria querer conhecer o jovem! 😀

    Primeiro: amo sinceridade e estou cansada da mesmice. Segundo – isso é a cara da nova geração que detesta modelos prontos! Aprender a reter talentos é o mais novo desafio do RH, a garotada não tá nem aí, se algo desagradou eles caem fora sem pensar duas vezes..

    Abrs e obrigada viu?

    Dri

    [Reply]

  8. Luiz Paulo says:

    Se todos os profissionais de RH pensassem assim as empresas estariam bem melhores e os empregados bem mais felizes. Parabéns pela sua coragem, espero que outros PROFISSIONAIS – com letras maiusculas de RH se juntem a você e acordem para o fato de que estamos no século 21 e muitos dos conceitos que eram validos até dez ou quinze anos atrás já eram… vamos continuar a malhar no tema no Linkedin e ver se conseguimos algo de prático…

    Abraços

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Luiz Paulo,

    pena que meu trabalho enquanto “RH” seja somente no Grupo Solidário, nas minhas consultorias de Marketing (onde me intrometo em tudo). Mas, se um dia eu voltar ao mercado de trabalho e, sabendo da atual onda de serem os gestores os recrutadores, podem contar comigo!

    Além disso, tenho conversado muito com meus amigos a respeito, acredito que essa mudança parte da nossa própria postura de não sermos coniventes com isso! O Linkedin e todas as plataformas digitais são meios para isso, além dos eventos e das próprias empresas que nos contratam!

    Abrs

    Dri

    [Reply]

  9. Luiz Paulo says:

    Ooops… desatento eu não? Pena que vc não é de RH, pois temos aí uma área onde inteligência, sensibilidade, talento e inovação anda fazendo muita falta…. Abraços

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Não esquenta… após quatro anos fazendo esse trabalho voluntário, até eu me sinto do RH de vez em quando! E claro, como gestora, já recrutei diversas pessoas…

    Obrigada pelo carinho e pelos elogios, sou tudo assim não mas fico super feliz! :-)

    Abrs

    Adriana

    [Reply]

  10. Marina says:

    Super me indentifiquei! A parte do feedback é realmente a que mais me chateia e irrita… Estamos anciosos por uma oportunidade, acho que custa pouco mandar um e-mail avisando que outra pessoa já foi selecionada, que o processo seletivo teve fim. Parabéns pelo texto.

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Obrigada pelo comentário Marina, concordo totalmente com você!

    Abraço

    Adriana

    [Reply]

  11. Horacio says:

    Adriana,

    Muito legal o texto, de fato os profissionais de RH precisam se atualizar, e um dos pontos é o que debatemos no LinkedIn: consultar as mídias sociais.

    Muito interessante e raro também o volume de comentários, todos com respostas interessantes – acabei lendo todos eles.

    Parabéns! Grande abraço, e mais sucesso prá você!

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Horácio,

    que bom que gostou! Eu vejo com otimismo isso, acredito que a mudança está acontecendo e é a partir desses debates que vamos fazer isso mudar totalmente!

    Abraços e obrigada!

    Adriana

    [Reply]

  12. Artur Castro says:

    Olá, Dri:

    Bom, eu passei de otimista a pessimista faz pouco tempo (tenho 49). O que quero dizer é que não procuro mais empregos (cansei!). Procuro oportunidades de trabalho. Sei lá: dou aulas, palestras, ofereço consultoria, estou montando uma empresa de análises químicas e por aí… Eu acho que se fizessem uma “grande pesquisa” a ser estampada numa “grande revista” ou num “grande site”, listando as empresas que não dão feed-back em processos seletivos seria a minha “grande vingança”. Essa “impunidade” em RH tem a haver com medo de represálias para com os candidatos. Ninguém fala nada porque eles estão com as vagas e eles potencialmente nos prejudicariam. Eu me deliciei com o seu texto e me senti “vingado”. Você ficou parecendo uma super-heroína defendendo os fracos e oprimidos desempregados. E como eu gostaria de ver seu post em tudo que é site, jornal, mídia de qualquer natureza! Sei que não é um sentimento nobre sentir prazer em vingança, mas, sendo sincero, abri aqui o meu maior defeito: sou vingativo, sim, e hei de ver um dia uma lista como a da “FORBES” ou a da “Você S/A” ou a da “Exame” com o título “Piores empresas para se passar por seleção”. Abração, Dri. Virei seu fã!

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Artur,

    Adorei seu comentário! Mas nem acho que é vigança, acho que é justiça pelos milhares de profissionais altamente gabaritados e que sofrem esse tipo de tratamento, muitas vezes humilhante, por causa do desconhecimento de empresas e recrutadores. Mas gostei da sua ideia, acho que vou escrever uma carta para as revistas sugerindo o título! 😀

    Valeu pelo carinho… fiquei emocionada!

    Abraço

    Adriana

    [Reply]

  13. Iracema Santos says:

    A-M-E-I!!!! Seu texto retrata a mais pura verdade. Estou desempregada desde dezembro além de ter ficado desempregada durante toda a crise em 2009. Parece que isto manchou de vez o meu currículo, tudo que fiz, meus talentos, competencias e afins, passaram a não valer nada!!! Recebo propostas indecentes para ganhar até um terço do que ganhava, e já passei pelos mais rídiculos testes possíveis. (Teve uma empresa me disse que se eu” não quisesse tinha um monte querendo”, quando eu perguntei a faixa salarial… eram 700,00 para cargo de analista…rsss) Os psicólogos de plantão que me perdoem, mas não acredito que uma dinâmica com 50 candidatos e duração de umas 3 horas consiga medir o grau de competância de uma carreira! No último psicotécnico que fiz (duração de 4 horas) a psicologa me perguntou se eu estava passando por algum ‘conflito emocional’ … Será que tem algum desempregado que não esteja abalado emocionalmente? O pior pra mim é não ter retorno, ou ter sempre a resposta padrão “neste momento seu currículo não corresponde ao perfil solicitado. obrigado” seu trouxa!!!! Não falam onde você não é adequado para que possa se adequar em processos futuros. Adoraria conhecer esse cara o tal “PERFIL” SERÁ QUE ELE EXISTE??? Deve ser uma metamorfose ambulante, pois muda a cara conforme os interesses do cliente ou a desculpa necessária para o rh dispensar o coitado do candidato… Teve uma agência bem famozona de bh que anunciou uma vaga, eu mandei meu cv, e liguei depois para confirmar o recebimento do cv, a recepcionista me destratou dizendo que “se não obtive retorno é porque meu cv não era bom o suficiente para a vaga”, em seguida recebi um email dizendo que fui excluida do processo por ter destratado a recepcionista. Foi o processo mais à jato que vi na vida, nem sabia que tava participando, rsrs, pode?! Nem falei com a infeliz…. Sinceramente, eu me pergunto todos os dias porque investi 30 mil numa faculdade, mais outros mil’s em cursos de idiomas, informatica’s, etc, etc, etc. Meus amigos que não estudaram metade do que estudei estao empregadoso e ganhando salarios bem melhores. Tem que rir pra nao chorar… A cada ligação que recebo convidando para uma entrevista já imagino a situação toda: aquele monte de gente muito bem ensaiada que fala tudo que os recrutadores querem ouvir, e recrutadores que nao sabem extrair a essencia dos profissionais, querem “cócegas” nos ouvidos… Afinal raramente conhecem a dinâmica da função e por isto nao conseguem avaliar tecnicamente. Aí você preenche aquele monte de formulários e nunca mais recebe noticias! E quando o recrutador é homem, ou o gerente da área é homem, aff, aí o cara quer te descascar com perguntas técnicas mais escabrosas que nem ele saber responder….Meu Deus! Empresas de rh estão proliferando como banquinha de camelo, toda esquina tem, e infelizmente as boas saem prejudicadas pelos picaretas!!! Concordam comigo? Desculpem o desabafo….rsss

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Iracema,

    venho acompanhando seu drama pelo Grupo Solidário e, nessas horas, me angustia não poder ir além da divulgação das vagas e dos cvs. Como eu gostaria de ter o poder de mudar tudo isso! Sim, mudar o mundo, por que não?

    Mas tenho que me contentar em fazer minha parte, por enquanto… afinal, mulheres ainda vão dominar o mundo, não é verdade? 😉

    É como eu sempre digo: invista cada vez mais nos seus relacionamentos pessoais. E lembre-se: você É UMA PROFISSIONAL GABARITADA E MERECE RESPEITO E CONSIDERAÇÃO! Você não está pedindo favores, você está buscando uma oportunidade para fazer o seu melhor! Acredite em você. Lembro quando eu era da área comercial: ouvia mil nãos todos os dias, mas o único SIM valia por todos eles. Concentre-se nisso!

    Estou torcendo muito por você – e espero ver seu depoimento de que tudo deu certo, na hora certa, porque VOCÊ MERECE!

    Abraços

    Adriana

    [Reply]

  14. Iracema Santos says:

    Obrigada Dri, suas palavras me emocionaram!!! As vezes me sinto um ET, como se somente eu passasse por este drama, mas tenho visto algumas pessoas passando por isto. Pessoas qualificasas que apos ano de trabalho se desempregaram e estao há 2 ou mais anos na fila de um emprego. É muito dificil!!! Mas “a fé nao costuma faiar”… né?! Já penso ate em mudar de rumo e dar vazao a outros talentos e investir nisto…ou ate me mudar para onde as oportunidades fervem. um abraço

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Iracema,

    todos que passam por isso se sentem assim, então fique aliviada. A primeira vez que fiquei desempregada na vida foi em 2000. Eu trabalhava desde os 14 anos e, quando aconteceu, entrei em depressão.

    Dois meses depois fui chamada para trabalhar em uma empresa. Bom salário e chances de crescimento. Porém, com uma semana na casa descobri que a funcionária que eu substituira tinha sido demitida por ter engravidado! Conversei na hora com o gerente e, quando vi que isso aconteceu realmente, pedi demissão.

    Fui obrigada a escutar em casa que eu tinha virado “malandra” e não queria mais trabalhar. Não me importo, meus valores e princípios sempre falaram mais alto. E eu não abro mão disso por dinheiro nenhum!

    Sobre mudar de rumo, abrir sua mente, eu acho interessante. Se quiser depois conversar a respeito, me manda email, quem sabe posso lhe ajudar nessa busca?

    Abraço

    Dri

    [Reply]

  15. Gustavo says:

    Olá Adriana!!

    Que texto bom, que leitura agradável e ao mesmo cômica (A-DO-REI o currículo super sincero, dá vontade fazer um igual, viu!).

    Li o seu texto e está em direção ao que tenho passao recentemente: processos seletivos com RHs que dão dor de cabeça (literalmente). Estou a me desafiar num processo de um grande loja de elétricos em BH e confesso que estou muito cansado. E só foram dois dias! Ficar 2 horas sentando para te falarem que amanhã você tem outro teste e bla bla bla…

    Estou numa sinuca braba: 1. Iniciei um estágio (meio período) numa secretaria do governo e no mesmo dia comecei o processo seletivo nesta outra empresa de elétricos… 2. A bolsa que receberei do estágio não dá para pagar nem a faculdade, quiçá os outros gastos fixos… (financiamento da casa, etc etc…) 3. Estou adorando o trabalho neste órgão do governo pois tenho conseguido fazer e atuar em áreas que gosto! Hoje meu coração doeu pois recebi, em dois dias, o meu e-mail oficial do órgão. E não tem aquele CTR (contratado) na frente, afff! (lembranças de Lucent Tecnhologies…) 4.A outra empresa oferece o pacote básico de sobrevivência (salário, VT, VR, saúde e afins…). A área? Sim, gosto também, é interessante, conseguiria desenvolver etc etc etc… 5. Minhas indagações: ficar neste órgão do governo e batalhar uma outra atividade na parte da tarde para complementar a renda, trabalhar fins de semana etc etc… Ou aceitar, se eu passar ainda no processo, o trabalho na outra empresa…

    Obs.: ainda tenho duas parcelas de SD que me garantem uma sobrevida… kkk

    Abraços novamente!!

    Gustavo Gus

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Gustavo,

    fico feliz que tenha gostado do texto (apesar de ficar entre o riso e o choro com essas situações…)

    Eu passei por algumas situações tem pouco tempo que meu lado “tolerância zero” anda bem aflorado, preguiça total desses processos cansativos e, na maioria, inúteis do ponto de vista de recrutamento.

    Sobre sua sinuca, é complicado mesmo. Não é fácil contar com freelas, posso lhe dizer de cadeira. Para isso, é preciso ter um “colchão financeiro” para as horas de vacas magras, ou seja, uma poupança que cubra pelo menos três meses de seus custos. Você tem? Caso positivo, então lhe dou maior força para seguir esse caminho, mas alertando: se planeje para divulgar seu nome, seu trabalho, faça um pequeno plano de comunicação (onde buscar freelas? como ampliar meus relacionamentos? Quais os eventos que TENHO que estar presente? Fazer ou não um site, um cartão de visitas, etc?)

    Eu sempre fui da opção de fazer o que mais amo. Mas tenho também que ter os pés no chão. Você é casado? Consulte sua esposa, faça uma lista dos prós e contras e vá em frente.

    Se quiser conversar mais a respeito, me envie um email. Não sou conselheira, mas posso dar uns pitacos pra tentar lhe ajudar. Mas lembre-se: a escolha é e sempre deve ser sua!

    Abraço,

    Adriana

    [Reply]

  16. Roger says:

    Olá Adriana,

    Muito bom o seu texto. Gostei muito, parabéns! Gostaria de dividir uma listinha de coisas de RH que tenho captado com alguns outros amigos. Veja só:

    1) Prometer e não cumprir. Qualquer tipo de coisa. Retorno, feedback, contato, nova entrevista. 2) Não ler o curriculum do candidato ou fazer uma leitura dinâmica do mesmo instantes antes da entrevista. 3) Marcar reunião com candidatos na praça de alimentação do shopping (principalmente entre 11h00 e 14h00). 4) Marcar reunião num café e fazer o candidato pagar a conta. 5) Dizer para o candidato “estou fazendo esta vaga por fora da empresa que represento”. 6) Chamar um candidato para entrevista e dizer: “Gostei do seu curriculum e te chamei apenas para conhecê-lo”. 7) Iniciar um processo, entrevistar o candidato e nunca mais dar nenhum tipo de retorno nem atender telefone ou responder e-mails. 8) Comparecer à entrevista com vestido transparente, saia curta ou roupas provocantes. 9) Atrasar uma hora e depois entrevistar 2 candidatos simultaneamente “prá ganhar tempo”. 10) Durante a entrevista permitir ser interrompido (por terceiros), atender o celular, sair da sala, ler e-mails, e outros. 11) Agendar com o candidato 2 horas para reunião (pois passaria por várias entrevistas). Realizar 5 horas ininterruptas de entrevista, sem direito a almoço e passando por 8 entrevistadores diferentes. 12) Dar feedback positivo da entrevista. Informar que vai passar o candidato para a próxima fase e sumir. 13) Não conhecer adequadamente a vaga e os acrônimos referentes a mesma. 14) Inflar o próprio curriculum (do headhunter ou da consultoria). 15) Negociar a antecipação de uma entrevista com o candidato. O candidato chegar dentro dos 15 min de tolerância solicitado por ele para atender a antecipação do entrevistador e ser atendido as pressas porque o próximo candidato chegou no horário. 16) Desconhecer a oportunidade para qual a entrevista foi agendada. Chamar para a entrevista com vistas a uma oportunidade e entrevistar para uma outra, cujo escopo e salário não são condizentes. 17) Entrevistas sem profissionalismo e isenção. Paqueras, insinuações e interrogatórios cuja ética seja duvidosa. 18) Não relacionar fatores imutáveis e discriminatórios, como credo, cor, sexo, aparência física, deficiência física, idade e outros como critérios de seleção.

    Pois é, como você diz “Tá difícil, hein RH?”!

    Note que a listinha acima vem de colegas que realmente passaram por estas situações e ainda tem que ouvir que no Brasil existe apagão de mão de obra qualificada, que o Brasil está importando mão de obra, etc, etc,….

    Com “coisas” como as da lista acontecendo por aí fica dificil mesmo o candidato encontrar boas empresas e as empresas encontrarem bons candidatos…

    Fica sempre a velha dica: Cabe a cada um olhar o seu umbigo e procurarmos todos melhor sempre….

    Grande abraço,

    Roger Melo

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Roger,

    obrigada pelo comentário – e que lista negra hein? rs…. só não entendi muito bem a última: no caso, o relacionar é que seria incorreto não? Ou você quis dizer não relacionar porém ter esses fatores discriminatórios “amoitados”?

    Minha listinha também se deve a experiências minhas e de “afilhados” do grupo. Vou ser sincera, quando comecei a recrutar em empresas (não como recrutadora, que não sou, mas como gestora) algumas das regras eu seguia. O tempo me mostrou o que realmente conta na hora de escolher um profissional…

    Abrs,

    Adriana

    [Reply]

  17. Roger says:

    Olá Adriana,

    Sim, no último tópico eu quis dizer que os fatores desciminatórios “não” deveriam ser relacionados, ou seja, não deveriam ser levados em consideração justamente por serem descriminatórios.

    O importante é que RHs e HHs tem uma listinha de “coisas” que os candidatos não devem fazer durante um processo de contratação, mas deveriam se lembrar que os candidatos também têm uma listinha similar.

    Claro que não queremos estabelecer aqui uma disputa, mas lembrar a todos que bom senso é fundamental para ambos e em tudo na vida, independente de em que mãos está o “poder” durante o processo, certo?

    Grande abraço,

    Roger Melo

    [Reply]

  18. Simone says:

    Nesses 03 anos fora do mercado de trabalho e a procura de, o pior que já passei foi a ultima entrevista que fiz mes passado. Alguem ter o trabalho de te entrevistar só pra satisfazer o pedido de outra pessoa. Pelo amor de Deus, trabalho é uma via de mão dupla, eu dou e recebo. Não estou pedindo caridade. Tenho competência, tenho experiência e tenho muito a acrescentar em qualquer empresa que eu for trabalhar. Além de gastar dinheiro com transporte, criar falsa expectativas, nada mais humilhante do que isso. Sinceramente eu cansei. Vou levando a vida do jeito que dá. O tempo passa e a situção pelo visto só fica pior. Vou levando de trabalho temporário mesmo e tentando sobreviver. Um dia quem sabe as coisas ainda melhoram…

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    É, sei como é difícil. Mas temos que acreditar na mudança – e que ela começa conosco, com nosso protesto, com debates como esse.

    Eu sou teimosa, você sabe. Posso não mudar o mundo, mas vou continuar fazendo minha parte… quero que ele seja melhor pelo menos para as próximas gerações.

    Vamos continuar em frente!

    Bjs

    Dri

    [Reply]

  19. Iracema Santos says:

    Sugiro fazermos uma “LISTA NEGRA” das agências que não respeitam os candidatos e ainda promovem a discriminação!!!!

    [Reply]

  20. Gustavo says:

    Olá Adriana,

    Bom dia!!

    Retornei ao meu antigo-novo trabalho!! O dono da empresa ligou-me e fez o convite; no início seria um free lancer, porém com a conversa que tivemos e pela minha $ituação, achei melhor aceitar a proposta e retornar.

    O bom disso tudo é que voltei renovado, com outras perspectivas e ideias e como já estou num curso superior, nossas opiniões acerca de vários assuntos tornam-se mais consistentes. O que manda, na minha opinião, é um bom argumento.

    Fiquei feliz, estou feliz. Que bom! Mas nao acomodarei! Farei vários cursos, inclusive um será pela empresa: APROVAÇÃO DE PROJETOS NA PBH. Fica a dica aí para aquelas pessoas (técnicos em edificações, engenheiros civis – estudantes ou curiosos), este curso é interessante pois com o boom da construção civil, as construtoras demandarão de pessoas com conhecimento dos trâmites processuais dentro da PBH. Site: http://www.imecmg.org.br. Vale o investimento!

    Grande abraço!!!!!!

    Gustavo Assunção

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Gustavo,

    respondi pelo twitter e respondo aqui também: parabéns! Seu entusiamos é uma prova que tudo já deu certo! Continue em frente, acredito que o destino de todos nós é esse mesmo… e ótima indicação pra turminha do Grupo Solidário, vou enviar a mesma pelo email do grupo!

    Abraço,

    Adriana

    [Reply]

  21. Tatiana Cunha says:

    Bom, casar virgem demanda muita determinação, ponto pro garoto, kkkkkkkkkkkkk.

    Brincadeira. Adorei o texto e concordo que o processo seletivo é algo complicado, cheio de padronizações (aplicadas por praticidade ou preguiça – vai saber) e que nem sempre o resultado é o melhor. Uma vez participei de uma dinâmica sobre colaboração e peguei a maldade. Ou seja, em uma próxima dinâmica, eu sei exatamente não o que devo fazer, mas o que o examinador espera de mim. Tive uma experiência bem interessante. Um examinador (que era meu professor na verdade, a vaga de estágio era para a faculdade) me perguntou o que eu faria se ele me mandasse tomar no c*. Isso mesmo! Eu ri, sem graça, e perguntei se ele estava falando sério. Ele disse que sim. Eu disse que teria a reação que ele tinha acabado de ver e o mandaria também. E FUI CONTRATADA, kkkkkkkkkkkk. Ele queria exatamente alguém que soubesse lidar, em um ambiente mais informal, com falta de educação. Como já tinha um relacionamento acadêmico com ele, acabei me saindo bem. Mas se outro examinador me fizesse a mesma pergunta, juro que não saberia o que responder.

    [Reply]

    Adriana Torres Reply:

    Oi Tatiana,

    que bom que gostou do texto! Bem, se alguém me perguntasse isso em uma entrevista eu diria que pediria demissão. E não me importaria de não passar no processo seletivo, porque ambiente informal é uma coisa e falta de educação eu não tolero. Acredito que para eu ser feliz, devo estar em um ambiente onde me sinta bem – e de nada adianta eu aceitar um trabalho onde me sentiria mal, concorda? Essa é a maior dificuldade dos candidatos, muitas vezes desesperados para conseguir a vaga não conseguem entender que em dois, três meses, estarão tão insatisfeitos quanto antes e provavelmente não ficarão no emprego. Porque amor ao que faz é essencial para o sucesso na profissão!

    Abraço!

    [Reply]

  22. Judson says:

    Olá Adriana,

    Estava navegando por aí e encontrei o seu texto. Achei bacanérrimo! Foi escrito há quase 3 anos atrás e continua super atual. Parece que o tempo passa e nada muda nesses RHs país afora. O que vejo hoje na verdade é um monte de RH super despreparados e desqualificados oferecendo seus serviços para as empresas, na maioria das vezes por preço de banana por causa da concorrência, e desnivelando ainda mais o padrão de qualidade do serviço. Eu estou procurando emprego e já participei de dois processos seletivos até o momento, sendo que apenas um me deu o feedback por e-mail. Já a outra empresa que prometia ser o paraíso na terra, nem mandar e-mail comunicando o resultado mandou. Aí eu penso: se ela trata assim quem está querendo entrar, imagine como é o tratamento de quem está lá. Outra coisa que me irrita demais são as propostas nestas listas e sites aberto de emprego que nem trazem o nome do RH que faz a seleção, mas apenas pede para enviar o e-mail para qualquer coisa que contenha rh@yahoo.com ou rh@gmail.com …. é de uma falta de profissionalismo absurdo! Inclusive, acredito que deveria haver um organismo fiscalizador de RH no Brasil, tipo o que acontece com os escritórios de contabilidade (CRC), de engenharia (CREA), com os médicos (CRM) e por aí vai. Existe algum órgão público que fiscaliza os serviços dos RH no país? Tinha algum tempo que não participava dos processos de seleção e notei que a situação está cada vez mais complicada neste setor, com profissionais super despreparados. Que saem das suas universidades/cursos de especialização de modo pró-forma, igual a robôs. Finalizando, já que você tem experiência de RH, me diz aí se existe mesmo a tal “lista negra” de profissionais (banco de informações) e se os RH usam como fonte de pesquisa em suas seleções. Ou se é apenas mais uma lenda urbana. Obrigado pela atenção e parabéns pelo artigo. Caberia um novo passado 3 anos. #ficaadica. Vou divulgá-lo! Abraço!

    [Reply]

  23. Rick says:

    Tatiana, muito bom o texto. Existe som a Lista Negra; ou várias Listas Negras com Headhunters nacionais e Internacionais. Empresas famosas pelo Brasil todo e pelo mundo. Basta ver este vídeo no YouTube http://youtu.be

    /JJnRPU8AxaU, assim como http://www.via6.com/topico/46202/lista-negra-atualizada-

    http://www.conjur.com.br/2006-ago-07/empresa_rh_condenada_causa_lista_negra

    http://www.trabalhismoemdebate.com.br/2011/04/lista-negra-importante-evitar/

    http://justilex.jusbrasil.com.br/noticias/13929/empresa-de-rh-paga-dano-moral-por-manter-lista-negra

    Um bom hacker consegue acessar estas listas e colocá-las a público. Não posso dar nome das empresas Headhunters por motivo de perjúrio, mas isto tem que acabar. Tem algo semelhante acontecendo com as redes sociais, mas isto é outro papo. Somente alerto para que tenham o maior cuidado com o que dizem e o que postam, pois muita gente, mesmo não estando na sua lista, fica sabendo disto. Além, é claro, do motivo de segurança pessoal. Quanto as Listas Negras em RH existem sim e com um pouco de manobra técnica tempos como trazê-las à tona e publicá-las em massa. Uma vez feito isto, entrar com ações de a favor das pessoas prejudicadas por estas. Em resumo: Existem? Sim. Existe em arquivo eletrônico? Sim e provavelmente criptografado ( que não é difícil de quebrar). Possível local de onde se encontram os arquivos? Soundcloud ou algum local de armazenagem de dados virtuais. Como chegar até eles? Encontrando o IP de origem de quem acessa os locais de armazenamento virtual e o IP do local do armazenamento virtual e entrar com busca e apreensão para obter as senhas de acesso. A era do Big Brother chega ao fim e a justiça é feita.

    [Reply]

  24. Fernando says:

    Olá! Que texto bacana! Simples, atual e provoca reflexões. Parabéns, Olha, ando tão desanimado. Não consigo entrevistas sequer. Tenho duas faculdades, tres mbas, falo 3 linguas, ex executivo de multinacionais e big four. O que ha de errado comigo?

    Bjs

    E essa tal lista negra, que negocio é esse?

    [Reply]

  25. Vanderson says:

    Uma amiga participou de uma dinâmica de grupo onde o recrutador pediu para cada candidato imitar uma animal ela se negou a fazer isso simplesmente se levantou e foi embora…

    [Reply]

  26. Vanderson says:

    Uma amiga participou de uma dinâmica de grupo onde o recrutador pediu para cada candidato imitar um animal ela se negou a fazer isso simplesmente se levantou e foi embora…

    [Reply]


Receba os posts no seu email:

Delivered by FeedBurner